Site Meter

segunda-feira, 31 de julho de 2006

Catalizadores do tesão - Olfacto

Hoje apetece-me escrever sobre este sentido, o sentido do cheiro.....
A forma como me afecta? A ver vamos.....
O quanto gosto dele? Hum......
Mexe comigo. Ponto......
Recordo perfeitamente uma manhã, bem cedo, diria até madrugada ainda, em que ainda com os olhos fechados senti uma fragância, que me despertava de um sono profundo, retemperador, após uma noite de prazer intenso, forte e porque não, extenuante....... Julgava-me a sonhar, sentindo uma mistura floral com traços de madeira exótica, deliciosa mistura que se tornava cada vez mais intensa. Não ousei abrir os olhos, talvez com receio que tudo se fosse, não querendo perder a oportunidade de sentir um pouco mais aquele cheiro que me levava para um cenário idílico, onde dominavam as paisagens campestres, onde tudo era intocável, virgem, inexplorado e belo. Extremamente belo.
O cheiro sentido aumentava, estava cada vez mais perto, mais real e julguei que de repente, todo aquele odor iria entrar completamente dentro do meu corpo. Mas não entrou.....ficou tremendamente forte, delicioso, doce......e pensei sentir um beijo, suave, tocando de leve os meus lábios.....o cheiro era imenso, tão bom....... senti-me excitado.......acho que estava a sonhar.
Dei conta disso quando acordei e tudo estava igual. Eram 9 horas. Não existia o cheiro, ninguém que me pudesse beijar, nem mesmo a frequente tesão matinal.....estive mesmo a sonhar. Esbocei um sorriso, como que pensando o quanto tinha sido bom sentir aquele aroma, mesmo que imaginário.
Dirigi-me ao andar de baixo, precisava ir ao wc. Ao começar a descer as escadas, senti de novo, desta vez de forma muito desvanecida, o cheiro do sonho. Associei senti-lo, ao facto de o sonho ter sido bastante intenso e como tal ainda pairava no meu subconsciente. A verdade é que à medida que avançava, o odor aumentava e no wc era quase tão forte quanto o havia sentido a sonhar. Isto perturbou-me. Fiquei intrigado e receei pela minha sanidade. Era muito bom senti-lo, deixava-me excitado, duro..... mas não queria correr o risco de andar assim todo o dia. Decidi então aproveitar as réstias de sono ainda existentes para me deitar novamente, esperando adormecer e que quando acordasse novamente, tudo não teria passado disso mesmo. Um sonho. Deitei-me e adormeci.
De novo aquele aroma.......sentia-o, não tão forte, mas sentia. Sentia também que estava duro, como pedra e que o meu pau estava envolto em humidade.....quente, melado.......que sonho tão bom.......sentia uma língua a lamber-me, uns lábios deliciosos a percorrer o meu pau, apertanto, fazendo-me sentir o mais delicioso broche, alguma vez por mim sonhado anteriormente......ainda uma mão, já molhada da saliva que escorria da boca, que acompanhava os movimentos da boca no meu pau, tal como eu adoro......
Sentia-me num estado de alma em que os sentidos se desprendem das coisas materiais......em completo êxtase...... Não queria abrir os olhos com medo que tudo se fosse....... cerrei-os ainda mais.......o meu estado de excitação era tal que todo o meu corpo estava tenso, duro, tal como o meu membro......sentia o fluir do líquido pelo corpo, adivinhando um correr com abundância......estava prestes a vir-me. Queria-o. Desejava-o. Continuava a exalar aquele cheiro. Dava comigo em doido............Retesei-me ainda mais..........já não aguentava.....aquela boca..... aquele corpo carnudo alongado chamado língua.........aquela mão........vim-me com tal intensidade........brutalmente........gemi.......gritei........
Estranhamente não me senti molhado no corpo. Estranho...... Ao invés, senti um líquido ainda mais espesso que a saliva a envolver a minha glande, escorrendo pelo meu pau........não muito mas algum......sentia-o perfeitamente como se eu estivesse acordado......
Era tudo muito estranho. Sentia tudo aquilo, continuava a exalar aquele aroma, aquele perfume que me deixava louco de tão bom que era, sentia até o cheiro a sexo........
Num acto desesperado tentei abrir os olhos........De repente tudo fazia sentido.......Noiva.........Os meus olhos encontraram os dela, num olhar característico........de quem é cúmplice do meu prazer, um olhar de safada.......e terno, com o meu pau ainda envolto pela sua mão, como que aguardando o meu despertar..........
-Bom dia Amor! Beijei-te quando saí cedo para o trabalho mas não da forma que eu gostava de o ter feito......
O teu cheiro.............

terça-feira, 25 de julho de 2006

Catalizadores do tesão - Tacto

Escrever sobre o sentido da palpação é uma tarefa ingrata. Porquê? Porque sinto cada premir da tecla, cada vírgula, cada espaço, cada pontuação.... e porque sei também que no final do texto sentirei as pontas dos dedos usadas, quentes, com as pequenas terminações nervosas aí existentes a reclamarem por algo mais, algo igualmente quente, húmido, onde o tacto impera e as sensações exigem mais e mais tacteamento.... e não o terei....
Acho que nem eu mesmo saberia escolher o que prefiro: usar o tacto ou senti-lo em mim.
Só eu sei os efeitos que se revelam quando percorro o corpo feminino com as minhas mãos, mas não me refiro a tocar simplesmente. É muito mais do que isso. É sentir cada espaço, cada pedaço de pele, de cabelo, cada poro, cada imperfeição, sim porque essas são especialmente diferentes das restantes e portanto, carecem de análise ainda mais pormenorizada por falta de conhecimento. Já experimentaram sentir uma cicatriz? Experimentem! Sintam e tentem reter o que elas encerram. Cada uma delas sem excepção. A proprietária agradecerá certamente pois nelas se encerram terminações que nos dão sensações mais além. Já para não falar que qualquer "patinho feio" carece de atenção, de carinho, do toque....
Por vezes os pormenores fazem a diferença e se estiverem atentos verão certamente que a cada toque existe uma recção, quase que involuntária, um suspiro...., um gemido...., um enrijecer...., um tremor...., um cortar da respiração...., quase que esperando o passo seguinte, um orgasmo....., sim essa coisa que ninguém gosta....., mas que todos procuram..., que ninguém quer..., mas todos desejam....
Ter uma mulher à mercê das minhas mãos, talvez mesmo recorrendo a algemas, para que nela possa tactear, percorrer os seus pés, com firmeza, agarrando-os, sentindo cada contorno dos seus dedos, cada espaço entre eles, a forma como estão dispostos e as reacções ao meu toque....., subindo um pouco e encontrar os tornozelos, fiéis depositários de tantas sensações perdidas, que quando tocados se revelam......mas não parar por aí. Seria tão redutor, apesar de fundamental, referir o corpo da mulher e o quanto gosto de lhe tocar e ficar-me por aqui.
Adoro trepar pelo seu corpo com as minhas mãos, sentir as pernas lisas, o seu contorno, deter-me nos seus joelhos e sentir cada pequena prega dos mesmos, tocar na sua parte posterior e sentir a pequena covinha aí existente, perder tempo sentindo os meus dedos a deslizar ai, uns pequenos círculos bem lentos e sair arrastando o indicador por trás da coxa até ao limite da nádega, regressando com a mão bem aberta e pressionando, de forma a sentir a consistência existente e voltar a subir, desta vez pela frente, com os dedos bem afastados para sentir um espaço maior.....nesta altura não sei como estaria ela, calculo que bem, mas eu estaria muito, muito bem.....
Tão bem que passaria a percorrer, a palma da mão, como que querendo adiar ou reter o desejo e o tesão que já sentiria.....palma da mão....eu ia na palma da mão e queria sentir cada ruga ai formada, percorrer cada umas delas, tentando descobrir o caminho a seguir, pelo tacto. Colocaria os meus dedos sobre os dela e deslizaria em toda a sua extensão, primeiro suavemente mas depois apertaria, faria pressão para os sentir nos meus, e dai passaria a subida íngreme mas não trabalhosa, dos braços....tão delicados e possuidores de um cotovelo que é tão bom de sentir, de contornar, bem como o seu lado oposto, onde o braço se dobra, onde por vezes uma gota de suor se deposita e é detectada pela ponta dos meus dedos....humidade...mas não a suficiente para mim. Quero mais...e vou procurar por ela....trepando com os meus dedos.....até ao seu ombro,
depósito de tantas carícias anteriores e acreditem ou não, eu sinto-as, eu palpo-as.... e percorro a sua extensão até ao seu pescoço, que se endurece instantaneamente como que se preparando para a tortura que uma ligeira pressão da minha mão, agarrando-o, apertando-o, sentindo-se vulnerável perante uma mão que pode estrangular mas que não o quer fazer......mas gosto de agarrar assim....sentir o poder nas minhas mãos.....sentir que elas comandam, sentem e tocam aquele corpo....adoro.
Deixar os meus dedos deslizarem pela nuca dela, sentindo os cabelos a escaparem entre os dedos, a suavidade dos mesmos, e que de repente se fecham tal como garras das quais nada consegue agora escapar e ela gosta....eu sei que gosta da pressão que exerço quando os puxo......
Desenhar os contornos do seu rosto com a ponta do polegar, percorrer os olhos, deslizar pelo seu nariz enquanto as narinas se enchem de ar, pois a respiração está rápida, já não é pausada, e isso sente-se também na ponta dos meus dedos enquanto desço em direcção à sua boca......que me tenta aprisionar o dedo mas que eu não permito, pois a minha missão é nobre e não quero correr o risco de me deixar cair em tentação e deixar de a sentir, não por muito mais tempo.....mas o suficiente para que possa terminar a minha missão.....de sentir até não poder suster o desejo, a vontade, a puta da tesão que sinto....que me consome.....
Os seus lábios são por mim sentidos enquanto os percorro, como suaves, carnudos, diria mesmo inchados e secos. Detenho-me neles ainda por alguns momentos levando dois dedos à minha boca, molhando-os, passando de seguida lentamente pelos dela, humedecendo-os, devolvendo-lhes a frescura característica, o brilho e ainda mais suavidade. São demais....
O toque seguinte foi cair suavemente no mamilo......erecto, rijo...e senti-o duro como poucas vezes tinha sentido antes. A minha mão envolveu completamente o seu peito e ela encheu os pulmões suplicando por ar e eu senti o inchaço que provocou, deixando-me sentir ainda mais aquele seio, suave como tudo, rijo o suficiente para os desejar como tudo, para os querer apertar,
sem magoar mas apertar firmemente.....como adoro.....passar a sentir o contorno do mamilo, apertando-os também ligeiramente e não pude deixar de ouvir um gemido.....como me excita.....
É precisamente nesse momento que coloco outra mão entre as suas coxas, tocando-lhes na parte interior, sem que a outra mão deixe de tocar os seus seios.....e comecei a sentir na ponta dos meus dedos uma humidade, que escorria dela, vindo ao encontro dos meus dedos.....e esta sim.....era a humidade que queria, que me instigava a pesquisa, a tortura auto-infligida, era este calor húmido que queria descobrir nela.....
A mão dos seios já quase que descontrolada, vinha como que em auxilio da outra, descendo apressadamente pela barriga, detendo-se ainda no seu umbigo mas seguindo encosta abaixo, enquanto a outra subia em busca da fonte de toda aquela cascata que escorria.....
E quando eu sentia que os meus dedos de mãos opostas se encontrariam......tal não aconteceu, estranhamente ou não, pois a que percorria encosta abaixo deteve-se suave e delicadamente no seu clitóris, grande, enorme de tanto tesão que sentia, não parando mas em vez disso circulando em volta, tal como uma fera que circula a sua presa à espera do momento certo, enquanto a mão que percorria a busca da nascente subitamente entrou num espaço alagado, que pulsava de calor e de vontade de ser percorrido....... e subitamente o sinal foi dado. O momento certo havia chegado.....o mergulho dentro dela ordenou à outra mão um ataque à presa, tocando-lhe.....pressionando ligeiramente e rapidamente, sem parar, deslizando e subindo sobre o clitóris enquanto a penetrava com a outra mão, num vai e vem lento, ligeiro, superficial, que foi gradualmente tornando-se rápido, duro, profundo, sentindo as minhas mãos na mesma cadência.....e eu sentia nelas tremores, impulsos, tensão, tesão.....muito tesão.....em mim, nela ainda mais e eu sabia aqueles momentos, ja conhecia, talvez não com tanta intensidade, mas aproximava-se um enorme...........orgasmo e veio..........veio de uma forma brutal, devastadora, cheio de tesão, que tesão........que poderoso......enorme......gigante.....imenso......e eu sentia tudo.....tudo na ponta dos meus dedos, com o tacto, com esse desgraçado mas terrivelmente delicioso tacto.......esse outro sentido que me arrebata...... .

sexta-feira, 7 de julho de 2006

Catalizadores do tesão - Visão

O simples facto de estarem a ler estas linhas por si só, já diz bastante deste sentido, deste potenciador da líbido...
Talvez até pelo facto de me encontrar junto à praia, no momento em que estas linhas são escritas e portanto com uma visão previligiada sobre os corpos bronzeados, torneados, à vista, com o calor dos raios de sol a brilhar sobre os mesmo, aquecendo-os, se torne mais fácil abordar a questão. A ver vamos...
Aquilo que vemos não é influênciado pelo cor dos olhos do observador, já a cor do olhos do observado......
Bem, vamos lá ao que interessa. Sou bastante observador. Gosto dos pormenores, dos detalhes, de varrer com os olhos aquilo para o qual estou a olhar e adoro ver, sim, porque ver é bem diferente de olhar, principalmente os corpos....femininos, claro está.
Ontem, enquanto estava deitado na minha cama, tendo o previlégio de ter a noiva ao meu lado e enquanto ela dormia, deitada de bruços, quase nua, tendo apenas um fio dental no corpo e sem lençol que a cobrisse, pois estava um pouco quente no quarto, dei por mim a observar aquele anjo, que dormia profundamente, sabe-se lá a sonhar o quê......, mas eu via.....via aquele corpo, a sua posição, com uma das pernas ligeiramente subida, realçando as suas curvas, a penumbra existente pela pouca luz da televisão ligada, parecia reflectir na sua pele, deixando umas sombras deliciosas e eu que a olhava terna e emocionadamente pelo facto de ter ao meu lado a pessoa que amo, comecei a ver a luxúria, a tentação, o corpo do desejo, da volúpia, que tantas vezes foi meu, possuido por mim, pelo meu corpo......
Reflexo inato ou talvez não, a verdade é que algo em mim começou a dar sinal de vida, a despertar, a latejar, a pulsar, a crescer, a ficar grande, forte, rijo, num tesão que me estava a invadir e eu não sabia controlar mas que ao mesmo tempo, não queria controlar. Eu estava doido! Completamente possuído pelo calor que sentia dentro de mim....e tudo....tudo porque estava a olhar para aquele corpo....
Eu estava de boxers e vi um volume, que era meu, mas como que não acreditando, tive de passar dois dedos sobre ele, só a ponta dos mesmos, devagar, bem devagar, sentindo toda a extensão do volume, o que me causou um ligeiro arrepio e foi nessa altura que eu percebi que dali para a frente, o meu estado só mudaria se me liberta-se daquela coisa que me percorria as veias, o corpo todo. Todo eu era um corpo tenso, endurecido. E ela continuava ali, imóvel, observada por mim, causando-me aquelas sensações e nem imaginava....dormia profundamente.
Quase que involuntariamente, a minha perna encostou na dela e senti...., senti todo o calor que a sua pele possuía naquela altura, tive até a sensação que senti cada milímetro da extensão que tocou no seu corpo, olhei e vi as duas pernas a tocarem-se....eu estava mesmo possuído, aquela visão, simples mas cheia de erotismo, deixava-me enebriado.....nessa altura pensei em penetrá-la, ali, naquele momento, colar-me a ela, por cima dela, descarregar no corpo dela toda aquela sensação que estava a sentir, todo aquele desejo incontrolado, que tesão.......acto pensado, acto....não realizado. Pareço masoquista não é? Hoje também já me ocorreu a ideia mas na altura fui atraiçoado pela minha visão.....estava a ser incrível e incrível continuaria a ser.....

Baixei os meus boxers, sim, não os tirei, talvez por achar que não seria necessário libertar-me completamente naquele momento, como que sentindo que me estava preparar para algo pecaminoso......, o triângulo formado pelo seu fio dental, naquelas nádegas perfeitas....que visão, que tesão....e visualizei, contrariando quase a lógica cerebral, uma mão, que até agora ainda não percebi se seria a minha ou não, a passar de leve naquele rabo, eu olhava para ele, a minha mão não lhe tocava mas a verdade é que estava lá uma mão, não me perguntem como.....e continuei a olhar...

A minha outra mão segurava o meu pau, que na altura mais parecia uma barra de ferro, incapaz de ser forjada, moldada, deformada....e tocava suavemente, quase que numa representação da bela e do monstro.... e era..... bom, delicioso, estava com uma puta de uma tesão incontrolada, que me consumia.... tocava-me enquanto continuava a observar a outra mão, imaginária, mas que continuava a ver de olhos abertos, a deslizar nas suas pernas, passando naquele rabo, sentindo a junção das nádegas, sentindo o tecido minúsculo que a aconchegava.....mas não era suficiente e vi os dedos começarem a desaparecer por baixo daquele fio, nunca parando mas lentamente, muito lentamente.....e quando as suas pontas reapareceram vi...., vi a humidade que neles havia, transferida por uma região que estava alagada, que eu tanto gosto de sentir, onde os dedos deslizam, onde tudo desliza, onde o calor dessa humidade é simplesmente fantástica e me possui sempre que a sinto..... ela estava a gostar. Sei que estava. Foi nessa altura que vi um corpo, que não o meu, deitar-se sobre ela, encaixando sobre as suas costas, deslizando pelo seu corpo, lenta e delicadamente, sentindo o calor que emanava dela e houve um ajuste do corpo dela, como que preparando-se para o que o seu corpo queria, desejava, reclamava e obrigava....
Eu via, mas não impedia. Eu observava....e gostava.
Nunca parei de deslizar a minha mão lentamente no meu pau, mas sentia que faltava algo para que que a sensação fosse ainda mais forte e por isso levei a minha mão à boca e molhei-a, tranferindo a saliva da mão para o meu sexo, sentindo então uma humidade quente, fazendo-me lembrar quando a penetro. Eu sentia que não iria aguentar muito mais aquela situação....
Como não parava de ver o que se estava a desenrolar ao meu lado, vi o momento em que ela se abriu, como que implorando por aquele pau duro, como que implorando para ser comida, com força, de costas, com vigor, como ela tanto gosta que eu a foda. E a visão que tinha ao meu lado era a de um pau rijo, que entrava muito lentamente, mesmo muito lentamente, desaparecendo dentro daquela cona enquanto o corpo dela ia ao encontro do dele, não aguentando a demora, a tortura de não ser fodida depressa, com força, com muita força.......e foi nesse momento, no preciso momento em que ele entrou o mais fundo que era possivel, que eu vi o corpo dela a tremer. Tenso. As mãos agarravam o lençol. As veias delas inchadas. Toda ela era um orgasmo fortíssimo, intenso, longo, brutal. Vi as contrações do corpo por cima dela, indicando também algo sublime, só possivel de ter no auge. E vi, a erecção, o mexer da minha mão, o vai e vem lento mas cadênciado, no preciso momento em que me vim.........e como! E não parava de jorrar, sentia a cair na minha pele e era quente....muito quente, tal como toda a situação que via...., sentia...e continuei a vir-me num orgasmo que parecia nao terminar, não em conteúdo mas em sensações.....
Como descrever tudo isto......?
Só visto!

domingo, 2 de julho de 2006

Catalizadores do tesão - Audição

Ora bem, decidici começar pelos sons porque muito particularmente, estes mexem demais comigo. Calculo que com todos vocês mas comigo....é tesão na certa.
Uma palavra, um gemido, um suspiro, uma música, a respiração, o silêncio.......parece bom não parece? Não parece! É mesmo!
Exercício prático: tentem lá privar-se da visão(vendas não faltam) e do tacto(algemas também não faltam mas por agora não é necessário).
Apaguem as luzes, fiquem bem perto do parceiro(a) e peçam-lhe para que vos conte uma fantasia, uma situação vivida, uma cena passada entre os dois....tanto faz. Mas que seja rica em detalhe, em pormenores, em caprichos e em erotismo.
Ouçam com atenção! Não só as palavras e as frases mas também as pausas, o barulhos dos lábios a descrever a situação, o engolir da saliva, a passagem da língua nos lábios secos, o tom da voz que vos fala......tentem escutar e imaginar tudo o que vos estão a dizer e a relatar.....sim, imaginem.....não perguntem nem questionem nada....apenas escutem e........não toquem!
Deixem rolar.....tentem controlar o tesão sentido, deixem ficar rijo, húmido, a pulsar, puro desejo.....
Tentem captar a intensidade de tudo que vos rodeia e que vos estão a dizer....
Escutem, ouçam, processem, interiorizem........e quando ficarem com os pêlos arrepiados, uns calafrios e uma vontade abissal de possuir ou ser possuida por quem nos está a colocar num estado desses........voltem a escutar......desta vez os gemidos, o coração, as mãos a passar no cabelo enquanto se entregam um ao outro.........com tesão.....enorme tesão......como tem de ser....

Pré-tesão


É curioso como por vezes se encontram blogs e posts que nos fazem parar, reflectir, assimilar e nos dão vontade de empreender....
Foram alguns desses que fizeram com que este existisse.
Quem sabe a minha Tesão não é a de muitos outros e outras? Não raras vezes, a dos outros e das outras é a minha....
Façam da minha a vossa e contribuam para a de todos!